Escola de maridos foi traduzida em 1992 para comemorar os 30 anos do Teatro Popular do SESI dirigido por Osmar Rodrigues Cruz..

Como o texto rimado parecia anacrônico e artificial, o primeiro ato foi traduzido em prosa.

Na leitura, porém, ficou evidente que o brilho de Molière só aflorava com a métrica e a rima, veículos para o humor e a densidade da peça.

A forma do verso, no entanto, podia criar uma dificuldade para o ator, levado a quebrar a fala ao fim de cada verso, comprometendo a fluência e a clareza.

A solução foi traduzir em versos rimados, mas grafar como  texto contínuo. O ritmo e a rima brotavam espontanemente da boca dos atores, sem qualquer artificialismo, seduzindo as plateias sempre lotadas das longas temporadas do SESI.

GALERIA

CLIQUE PARA ASSISTIR CENA E ENTREVISTA

Registro na SBAT  024160

ESCOLA DE MARIDOS